terça-feira, 3 de setembro de 2019

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

terça-feira, 27 de agosto de 2019

sábado, 10 de agosto de 2019

If the car beside you moves ahead

Tem tempo que não escrevo ou mesmo posto qualquer coisa aqui. O que é sintomático já que esse blog conecta comigo de forma mais intrínseca e tenho estado distante desse meu lado. Tenho me sentido inerte e ao mesmo tempo desconectado do desenho, do trabalho e das pessoas ao redor. Vivi situações ruins recentemente e acho que o impacto negativo desses eventos me freou e diminuiu minha sensibilidade. Me sinto mais fechado pro mundo e mais silente, o que mudou minha perspectiva de futuro e tem me deixado perdido.

Nas idas e vindas eu tenho tentado me reconectar com o que eu faço. Voltei a fazer pra mim o desenho que serve como catarse, que funciona como remédio paliativo. Tenho trabalhado de grama em grama em um livro, mas é uma montanha pra escalar sem muita perspectiva do topo. No fim, na maior parte do tempo me sinto sobrecarregado pelas possibilidades e coisas pra se fazer, paralisado.

Existe essa situação cotidiana que me vem a mente agora. Às vezes quando estou num ônibus parado no sinal, olhando pros carros do lado pela janela eu perco um pouco a noção ao redor. Quando o sinal abre e o carro se move mais rápido que o ônibus eu tenho a sensação de que estamos dando ré, enquanto todos aceleram. É uma vertigem, me dá náusea. Daí então essa sensação passa e eventualmente eu percebo que todos estão indo na mesma direção, com velocidades diferentes. Acho que esse agora é o momento de ré, da náusea. E se esse for como todos os outros sinais vermelhos, deve passar e a velocidade se restabelecer.

quinta-feira, 28 de março de 2019

Dark Days In The Summer

Quando me perguntam o por quê de eu desenhar geralmente respondo que não sei fazer outra coisa ou que não consigo me sentir satisfeito fazendo qualquer trabalho como consigo produzindo um desenho. Isso não deixa de ser verdade, mas é fato que o desenho pra mim é, antes de qualquer processo formal ou técnica, a materialização de sentimentos às vezes tão pessoais que não consigo transcrever. Meus projetos, como esse zine, são a resposta visual a sensações às vezes antigas, mas que voltam de tempos em tempos pra minha cabeça até que sejam exorcizadas na pintura. “Dark days in the Summer” é sobre uma época em que o tempo parou e que os dias dessaturaram. A rotina perdeu um pouco do sentido e o ir e vir dos mesmos pensamentos me fez olhar pra trás de novo e de novo. Esse zine, o meu primeiro, de poucas paginas e cinquenta cópias foi meu engavetamento desses pensamentos finalmente. “Dark days in the Summer” é sobre o fim de um relacionamento e a imediata inabilidade de seguir em frente.




quinta-feira, 14 de março de 2019

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019